GIF Patrocinador

GIF Patrocinador

sábado, 18 de maio de 2019

SPORT - CORTANDO ESPORTES OLÍMPICOS

Sport corta recursos para esportes olímpicos: 'precisamos que sejam autossuficientes'

Atualmente, o Sport é quem banca tudo e infelizmente, nós não temos mais condições de fazê-lo', contou Bivar (Foto: Nando Chiappetta/DP FOTO)


A política do clube para as modalidades amadoras indica que as mesmas devem buscar investimentos através de patrocínios e mensalidades de escolinhas


O Sport vive mais um triste momento em sua história devido a grande crise financeira que está sendo vivida pelo clube. Outrora referência em esportes olímpicos em Pernambuco, o clube cortou o repasse das verbas para modalidades como handebol, vôlei, basquete, tênis de mesa, natação e atletismo. Segundo a cúpula leonina, a regra agora é que as categorias amadoras sejam autossuficientes. 

“Atualmente, o Sport é quem banca tudo e infelizmente, nós não temos mais condições de fazê-lo. Precisamos que as modalidades se tornem autossuficientes. O Remo, por exemplo, já é. Eles conseguem patrocínios para a disputa das competições”, contra o presidente do Sport, Milton Bivar. 

A pretensão do clube é que as modalidades se sustentem com as rendas provenientes das mensalidades das escolinhas e de patrocínios que possam ser obtidos pelas equipes que disputam competições em todos os níveis. Este contingenciamento se justifica por causa do alto passivo que a atual diretoria tem nas mãos. Bivar também coloca que uma possível solução para isso é o acesso para a Série A em 2020.

“Tudo isto é temporário. Caso consigamos o nosso objetivo deste ano, que é o acesso para a Série A, as coisas mudam de figura e esse contingenciamento de recursos poderá ser revisto”. 

Futebol Feminino

O caso do futebol feminino é onde os cortes de investimento se mostraram mais devastadores. Disputando a Série A1 do Campeonato Brasileiro, as leoas amargam a lanterna da competição com nove derrotas em nove jogos, além de ter o pior ataque e defesa mais vazada do certame. Tudo isso ocorreu depois que o clube deixou de financiar a categoria.

A disparidade com o suporte é tanta que, no ano passado, as jogadoras possuíam vínculo com carteira assinada, contrato e salários, pela primeira vez na história do clube. Além disso, das 20 atletas do plantel, seis eram profissionais. Hoje, a modalidade respira sob ajuda de custos e, todas as 25 jogadoras do elenco são amadoras. Sob a complicada situação, Milton Bivar aponta que o Sport não possui recursos para maiores investimentos.

“Infelizmente, não temos o que fazer. Este ano não poderemos mudar nada do que já está posto em relação ao futebol feminino”, lamentou o mandatário Rubro-negro.   


Diario de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário