GIF Patrocinador

GIF Patrocinador

sexta-feira, 16 de dezembro de 2022

CRIME ABSURDO

Prestador de serviço da Compesa é baleado por morador ao fiscalizar ligação clandestina

Foto: Reprodução

Nesta quinta-feira (15), um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviço para a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) foi baleado enquanto fiscalizava uma ligação clandestina, em um bairro de Abreu e Lima. O autor do disparo é o dono da residência
Após uma discussão, o morador da residência sacou uma arma, fazendo com que o funcionário iniciasse uma briga física, tentando desarmá-lo. Em seguida, o atirador disparou, atingindo a vítima na barriga, que logo começa a pedir para não ser assassinado. "Por favor, por favor. Não me mate não. Eu tenho duas filhas", disse. O momento da discussão foi filmado por câmeras de segurança da rua.
 
Segundo a Polícia Civil, as investigações já foram iniciadas pela Força Tarefa de Homicídios do Região Metropolitana Norte. A vítima foi levada para o Hospital Miguel Arraes, em Paulista. Ele já realizou a cirurgia para retirada da bala e, de acordo com a unidade de saúde, está consciente e orientado.

De acordo a esposa do trabalhador, que preferiu não ser identificada,  o casal tem duas filhas, uma com 12 e outra com 13 anos. Ela também informou que ela e as filhas estão bastante abaladas com o ocorrido

Em nota, a Compesa repudiou o ocorrido e se solidarizou com a família da vítima.
 
Confira a nota na íntegra: 
 
"A compesa repudia veementemente o ato de violência praticado contra o profissional de uma empresa terceirizada prestadora de serviço, que foi baleado na manhã desta quinta-feira (15), no bairro do Planalto, em Abreu e Lima, durante o exercício de suas funções. O funcionário foi prontamente socorrido para o Hospital Miguel Arraes, em Paulista. A Compesa se solidariza com a vítima e seus familiares
 
Tão logo foi informada fo caso, a Compesa prestou assistência e resgistrou Boletim de Ocorrência (BO) para que o caso seja apurado e o agressor responsabilizado criminalmente."

Por: Camile Barros 

Nenhum comentário:

Postar um comentário