GIF Patrocinador

GIF Patrocinador

sábado, 22 de julho de 2023

MAIS UM ABSURDO DO DESGOVERNO PETISTA

Estadão descreve fala de Dino sobre Moraes como um ‘absurdo’

Flávio Dino em conversa com Alexandre de Moraes Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil


Ministro defendeu que suposta agressão contra o ministro seja equipada à crime contra o Estado


O jornal O Estado de S. Paulo descreveu como um “evidente absurdo” e um “equívoco profundo” a fala do ministro da Justiça, Flávio Dino, defendendo que a suposta agressão contra o ministro Alexandre de Moraes possa ser tipificada como crime contra o Estado Democrático de Direito. Em editorial publicado nesta quinta-feira (20), o periódico afirmou que essa ideia é uma “distorção” e só faz sentido em um regime absolutista, não em uma democracia.

 – Atribuída ao rei da França Luís XIV (1643-1715), a frase L’Etat, c’est moi (Eu sou o Estado) faz sentido em um sistema absolutista. No regime democrático, nenhuma autoridade do Executivo, do Legislativo ou do Judiciário é o Estado. Por isso, as respectivas proteções, do Estado e das autoridades, não se confundem nem se misturam – explicou o periódico no texto intitulado A distorção que enfraquece a democracia.

O veículo de comunicação lembrou que a Lei de Defesa do Estado Democrático de Direito (Lei 14.197/2021) veio para revogar a Lei de Segurança Nacional (Lei 7.170, de 1983), “explicitando que a proteção específica do regime democrático não tem nenhuma relação com questões de honra ou mesmo de integridade física das autoridades”.

– Portanto, equivoca-se profundamente o ministro da Justiça, Flávio Dino, quando, em entrevista sobre a confusão ocorrida no Aeroporto de Roma envolvendo o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, diz que as agressões morais e físicas que teriam sido cometidas contra o magistrado e sua família poderão vir a ser tipificadas como crime contra o Estado Democrático de Direito. Um evidente absurdo – assinalou o Estadão.

O jornal destacou, porém, que é preciso apurar “o que aconteceu em Roma e, comprovando-se a ocorrência de crimes, proceder à punição dos responsáveis”.

– É tarefa do inquérito policial averiguar o que de fato ocorreu. Havendo elementos suficientes sobre a materialidade e a autoria de um ou mais crimes, cabe ao Ministério Público apresentar à Justiça a denúncia correspondente. É necessário, portanto, realizar prontamente a investigação sobre o caso. Mas não há nada que autorize a transformar eventual agressão física ou moral a um ministro do STF e sua família em crime contra o Estado Democrático de Direito. Isso significaria perverter, em menos de dois anos de vigência, a Lei 14.197/2021, como se ela viesse proteger a honra e a integridade de autoridades estatais – argumentou o periódico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário