GIF Patrocinador

GIF Patrocinador

sexta-feira, 4 de agosto de 2023

BANIMENTO DAS TRANS

Atletas trans são banidos pela associação esportiva britânica

Foto: BritishRowing


Atletas transexuais serão impedidas de representar a Grã-Bretanha ou a Inglaterra em corridas internacionais femininas, anunciou a British Rowing nesta quinta-feira (3). As novas regras entram em vigor em 11 de setembro.

Enquanto apenas atletas “atribuídas ao nascimento como mulheres” podem competir na categoria feminina, os trans-remadores têm a opção de competir em uma categoria “aberta”, e os organizadores do evento podem optar por oferecer uma categoria “mista” se 50% dos tripulantes forem nascidos fêmea.

A British Rowing está empenhada em promover um ambiente em que o remo seja acessível e inclusivo e em garantir que oferecemos oportunidades e diversão para todos”, disse o órgão em um comunicado, prometendo revisar as diretrizes dentro de 12 meses.

A decisão representa uma reversão do anúncio do ano passado de que os requisitos de elegibilidade do remo britânico seriam “alinhados e não mais restritivos do que os do remo mundial.

Atualmente, o remo mundial permite que atletas trans compitam como mulheres se reduzirem seus níveis de testosterona para menos de 2,5 nanomoles por litro por um período de 12 meses, tendo recentemente reduzido o nível de 5 nmol/litro.O Comitê Olímpico Internacional afastou-se das diretrizes centradas na testosterona nos últimos anos e, a partir de 2021, proíbe a exclusão de atletas da competição com base em vantagens anatômicas presumidas.

No ano passado, Mark Davies, o presidente da British Rowing, pediu ao World Rowing que seguisse o exemplo da Fina em ter categorias “abertas” e “femininas”.Eles não o fizeram desde o último anúncio do grupo.

Em julho, a World Aquatics anunciou uma categoria “aberta” para nadadores transgêneros, depois de anunciar no ano passado que atletas trans que passaram pela puberdade masculina ou fizeram cirurgia de mudança de sexo após os 12 anos de idade seriam impedidos de eventos femininos.

Também no mês passado, a Union Cycliste Internationale, o árbitro esportivo mundial do ciclismo, anunciou que atletas trans nascidos no sexo masculino que fizeram a transição após a puberdade seriam mantidos fora dos eventos femininos para “garantir a igualdade de oportunidades.

O primeiro órgão esportivo mundial a fazer tal anúncio foi a Liga Internacional de Rugby, que proibiu mulheres trans de partidas de rugby feminino no ano passado, citando a necessidade de “pesquisas adicionais” antes que atletas nascidos no sexo masculino pudessem se envolver no esporte de contato total. esporte com mulheres.

Enquanto os defensores trans dizem que atletas geneticamente masculinos devem ser capazes de competir como mulheres se tiverem passado por certos marcos de transição, um estudo recente publicado pelo British Journal of Sports Medicine descobriu que mesmo após 10 anos de tratamento hormonal, mulheres trans (ou seja, homens nascidos) eram 18% mais fortes e tinham capacidade aeróbica 20% maior do que mulheres biológicas de idade e histórico semelhantes.

Gazeta Brasil


Nenhum comentário:

Postar um comentário