GIF Patrocinador

GIF Patrocinador

terça-feira, 5 de março de 2024

SEGUNDO O DEPUTADO LULA É GENOCIDA

Gustavo Gayer denuncia Lula à Corte Internacional por genocídio

Gustavo Gayer Foto: Reprodução/YouTube Gustavo Gayer Deputado Federal


Crime denunciado é contra o povo Yanomami



O deputado federal Gustavo Gayer (PL-GO) apresentou uma denúncia contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao Tribunal Penal Internacional (TPI), o Tribunal de Haia, por genocídio contra o povo Yanomami.

Apresentado à Corte na última sexta-feira (1º), o documento aponta dados do crescimento no número de mortes dos indígenas e uma grave crise humanitária. 

– No Tribunal Internacional de Haya há agora uma denúncia muito bem elaborada, com todas as evidências, artigos da imprensa, números e relatórios oficiais de membros do governo mostrando que Lula é um genocida – disse Gayer.

O deputado também aponta dados sobre o aumento do garimpo ilegal e os casos de desmatamento que ocorrem na terra indígena localizada nos estados do Amazonas e de Roraima.

– Os indígenas têm sido expostos ao contato com garimpeiros e madeireiros que atuam ilegalmente na região. Há também casos crônicos de desnutrição e doenças – afirmou o parlamentar.

Em vídeo sobre o tema publicado em seu canal no YouTube, onde acumula mais de 1 milhão de seguidores, Gayer começa citando o fato de o tribunal já ter aceitado a mesma denúncia, mas contra o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

– A perseguição contra Bolsonaro não está só no Brasil. O Tribunal internacional de Haia, também infectado por esquerdistas, está investigando Bolsonaro por genocídio do povo indígena Yanomami. Inclusive, esse processo já está em estado avançado – assinalou.

Na publicação, o deputado mostra gráficos com comparações entre os governos Michel Temer, Bolsonaro e Lula, mostrando que neste último houve um aumento de 5,8% nas morte em terras Yanomamis.

– Um ano! Um ano e eles não conseguiram distribuir o medicamento para os Yanomamis? Isso está me cheirando a genocídio – se posicionou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário