GIF Patrocinador

GIF Patrocinador

segunda-feira, 13 de maio de 2024

A POLÍCIA PRENDE E A JUSTIÇA SOLTA

Homem baleado ao tentar assaltar equipe de segurança da vice-governadora é solto em audiência de custódia

Assalto a uma equipe da vice-governadora teve tiros (Foto: Arquivo)


Alison Silva Souza ganhou direito a ficar em liberdade provisória, sem a necessidade de pagamento de fiança

Está em liberdade o homem flagrado tentando assaltar a equipe de segurança da vice-governadora de Pernambuco, Priscila Krause. 

A decisão foi tomada pela Justiça depois da audiência de custódia realizada no domingo (12). 
 
Com isso, Alison Silva Souza ganhou direito a ficar em liberdade provisória, sem a necessidade de pagamento de fiança.
 
O caso aconteceu no sábado (11), em Parnamirim, na Zona Norte do Recife. 
 
Imagens de uma câmera de segurança registraram o momento em que  ele foi baleado.
 
Alison  tentou assaltar uma viatura descaracterizada que dá apoio à equipe de segurança da vice-governadora. 

A decisão
 
O juiz Aldemir Alves de Lima declarou que não havia "elemento nos autos do processo que indicasse que o homem seria um risco à ordem pública caso fosse solto".
 
Alison vai ter que cumprir algumas determinações: 
Comparecer a todos os atos processuais;
Não se ausentar da comarca ou mudar de residência sem prévia comunicação à Justiça.
 
Alegações
 
Na audiência, ele alegou ter "sofrido violência policial."
Disse ter sido sido atingido pelos policiais nos pés, na mão e na perna por arma de fogo e que "a violência ocorreu quando já se encontrava imobilizado."

Com foi 
 
O assaltante estava com um revólver calibre 32 quando tentou assaltar a equipe de segurança da vice-governadora.
 
Priscila Krause não estava no local no momento do crime;
Os policiais reagiram e balearam o criminoso.
 
O assaltante tentou fugir, mas foi preso pela própria equipe de segurança do governo. A arma apreendida com seis munições, sendo duas pinadas e quatro intactas.

Alison foi levado, para o Hospital Getúlio Vargas, no bairro do Cordeiro, na Zona Oeste do Recife, e recebeu alta logo depois. 
 
Ele prestou depoimento no Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), também localizado no Cordeiro.

Documento

Ainda segundo o documento da Justiça,  consta dos autos que Alison "teria retirado uma arma que estava dentro de uma sacola e apontado para uma viatura da Casa Militar, que estava com dois policiais militares no seu interior, em um estacionamento público localizado na frente do Hospital Infantil Maria Lucinda".
 
O documento informa também que ele "teria atirado contra o efetivo, mas nenhuma munição foi deflagrada".
 
Ainda na decisão, etá escrito que "não  há indícios de qualquer contumácia de monta capaz de revelar o periculum libertatis do autuado.
 
Relativamente ao autuado dos presentes autos tenho que a manutenção de sua segregação não se faz necessária, não revelando a documentação acostada aos autos qualquer risco a justificar sua segregação provisória", disse o magistrado.
 
Ainda de acordo com a decisão,  a prisão preventiva  
deve "se reportar a situações específicas, que indiquem de
forma objetiva o risco à efetividade do processo e/ou potenciais vítimas de reiteração criminosa, não se recomendando a manutenção da prisão com base em critérios subjetivos, impondo-se a comprovação de sua adequação e necessidade em concreto, o que não restou evidenciado".

DP

Um comentário:

  1. Tá de brincadeira? Isso nunca foi justiça, pode até ser lei, mas justiça não!

    ResponderExcluir