GIF Patrocinador

GIF Patrocinador

domingo, 19 de janeiro de 2020

MAIS CERVEJA CONTAMINADA

identificados mais 11 lotes contaminados da cervejaria Backer

Divulgação
MInistério da Agricultura identifica mais 11 lotes contaminados da cervejaria Backer.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) identificou mais 11 lotes de cerveja contaminada da marca Backer. Nos produtos foi encontrada a presença do contaminante dietilenoglicol. Agora são dez produtos da Cervejaria Backer contendo as substâncias tóxicas: Belorizontina, Capixaba, Capitão Senra, Pele Vermelha, Fargo 46, Backer Pilsen, Brown, Backer D2, Corleone e Backer Trigo. Até o momento, informa a nota, as análises realizadas pelos Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária constataram 32 lotes contaminados.
O Ministério definiu em reunião com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a interdição das marcas de cerveja Backer com data de validade igual ou posterior a agosto de 2020. Além disso, acertou com a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacom) do Ministério da Justiça e Segurança Pública a realização dos procedimentos de intimação da empresa para recall dos produtos em que já foi constatada a contaminação, bem como dos produtos que ainda não tiveram a idoneidade e segurança para o consumo comprovadas.
De acordo com o Ministério da Agricultura, a empresa permanecerá fechada até que existam condições seguras de operação, reafirmando que os produtos somente serão liberados para comercialização mediante análise e aprovação do Mapa. Já foram confirmadas quatro mortes por ingestão da substância tóxica encontrada nas cervejas.

Estadão Conteúdo

ASSINATURAS DO PARTIDO

Aliança pelo Brasil quer colher assinaturas até fevereiro

Placa com logotipo da Aliança pelo Brasil feita com cartuchos de balas



Os criadores do Aliança pelo Brasil, partido político que o presidente Jair Bolsonaro quer tirar do papel, acreditam que será possível ter todas as assinaturas necessárias a favor da criação da legenda já no início do próximo mês. São necessários 492 mil apoiamentos distribuídos proporcionalmente pelo Brasil para que o registro possa ser feito ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
"A meta era a do Distrito Federal, cumprirp  em fevereiro, daqui a duas semanas. Acho que até fevereiro a gente resolve o Brasil. Vamos trabalhar para isso. Receber os apoiamentos eu garanto. Se tudo vai estar processado, vai depender", comentou o advogado Luís Felipe Belmonte, segundo vice-presidente e um dos principais articuladores da agremiação.
Ele liderou no sábado, 18, um evento com apoiadores que contou com a presença de Jair Bolsonaro. Na ocasião, Belmonte voltou a criticar o Fundo Eleitoral de R$ 2 bilhões sancionado pelo presidente - embora tenha dito compreender as razões do chefe do Executivo para a sanção.
"Dentro do limite que o próprio TSE encaminhou e Congresso aprovou, ele correria risco de questionamentos severos. Ele está cumprindo a lei. Mas ele e o partido trabalharemos (sic) pela extinção do Fundão", comentou.
Belmonte também anunciou que os comandos regionais do Aliança, quando criados, serão submetidos a uma "peneira" pela cúpula. Simpatizantes têm reivindicado nas redes sociais o controle do partido, sem qualquer respaldo dos líderes.
"O presidente já deixou claro que não tem lugar garantido pra ninguém. Tudo será analisado na hora certa. E tudo vai passar na peneira. Teve gente que foi no lançamento do partido, tirou foto e saiu de lá dizendo que ele é o responsável pelo partido no local. Isso é conversa furada", afirmou.

Por Vinicius Valfré e Fabrício Castro, por Estadão

ACORDO FIRMADO

Brasil e Alemanha assinam acordo de cooperação agrícola

Ministra Tereza Cristina e ministra da Agricultura da Alemanha, Julia Klöckner, assinam acordo em Berlim.
Foto: Ministério da Agricultura



A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, assinou no sábado (18) um acordo de cooperação técnica com a Alemanha. O acordo prevê troca de informações, visitas técnicas e financiamento rural entre os dois países.
Durante encontro do Fórum Global da Alimentação e da Agricultura (GFFA), em Berlim, Tereza Cristina e a ministra da Alimentação e Agricultura da Alemanha, Julia Klockner, assinaram uma declaração na qual o Brasil e a Alemanha se comprometeram a buscar uma agricultura sustentável para a demanda global por alimentos.
Na reunião, a ministra brasileira destacou que somente 2,3% do território brasileiro são utilizados para produção agrícola e 10,5% para a pecuária, e a agricultura não pode ser apontada como a vilã dos problemas ambientais ocorridos no mundo.
“Esse acordo vai aproximar mais os dois países. Trocaremos conhecimento e nós poderemos mostrar a tecnologia que desenvolvemos para criar a agricultura tropical brasileira”, disse a ministra, em nota.
Após a reunião do GFFA, a ministra da Agricultura segue para a Índia, onde fará parte da comitiva do presidente Jair Bolsonaro que visitará o país.

Por Agência Brasil

CONVERSAR PESSOALMENTE

Regina Duarte quer conversa "olho no olho" com Bolsonaro

Foto: G1



A atriz Regina Duarte pediu para que a conversa que terá com Jair Bolsonaro na segunda-feira (20) seja “olho no olho”.
Segundo interlocutores da atriz, ela quer entender melhor os planos do presidente para a pasta e garantir liberdade para atuar à frente da Cultura. Os dois, portanto, devem tratar do assunto pessoalmente.
Uma ala do governo aposta na ida da atriz para a Esplanada e enxerga nesse movimento uma oportunidade para reduzir a crise com o setor cultural. Mas um outro grupo próximo ao presidente torce para que Regina Duarte diga não, abrindo espaço para alguém de perfil “mais ideológico”, semelhante ao de Roberto Alvim.
Quem conversa com a atriz diz que ela, ao mesmo tempo, demonstra dúvidas sobre assumir o posto e interesse pelo desafio.

Do Blog da Natuza Nery

SÓ NO BRASIL MESMO

Filhas solteiras de ex-deputados e senadores recebem pensões de R$ 35 mil


Um relatório interno do Congresso Nacional mostra que o Legislativo federal paga pensões de até R$ 35 mil reais por mês às filhas solteiras de ex-parlamentares e ex-servidores tanto do Senado Federal quanto da Câmara dos Deputados.
No total, se estima que a casa gasta cerca de R$ 30 milhões por ano com essa despesa, que atende um total de 194 mulheres. O valor anual é comparável com o gasto de construção de 500 casas populares do projeto Minha Casa Minha Vida.
O benefício foi sancionado por Jucelino Kubitschek em 1958, mas já deveria ter sido cortado, após a norma ser derrubada em 1990. Contudo, foi mantido para aqueles que já estavam na folha de pagamento.
Segundo os critérios estabelecidos para se obter o benefício, ele deve ser pago mesmo depois que a filha complete os 21 anos, e só pode ser cortado se ela filha se casar, iniciar uma união estável ou conseguir um emprego público permanente.


No ano de 2016, uma investigação da Corte de Contas encontrou 19 mil casos de pagamentos supostamente indevidos para filhas solteiras, em 121 órgãos da administração pública federal. 

Por revidta Forum

PEDIDO A PROCURADORIA

Tolffoli pede parecer da PGR para decidir se suspende caso Flávio


Toffoli pede que PGR opine sobre suspensão de investigações contra Flávio Bolsonaro no Rio. MP apura se havia "rachadinha" de salários quando Flávio era deputado estadual no RJ. Defesa pede arquivamento; caso passa às mãos de ministro Luiz Fux a partir de segunda.
O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, pediu neste sábado (18) que a Procuradoria-Geral da República opine sobre o pedido do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), que quer a interrupção de investigações contra ele no Rio de Janeiro.
O senador tenta uma decisão provisória para cessar a apuração do Ministério Público do Rio, que investiga a prática de “rachadinha” (devolução de parte dos salários dos servidores) quando Flávio era deputado estadual. A suspeita é de lavagem de dinheiro e peculato (apropriação de dinheiro público).
A defesa de Flávio pediu a suspensão dos inquéritos em 18 de dezembro, na última semana de trabalho do Judiciário em 2019. O relator, ministro Gilmar Mendes, chegou a pedir informações adicionais “com urgência” no dia seguinte, mas não emitiu decisão sobre o tema.
Desde o início do recesso, Toffoli assumiu o plantão do STF e, com isso, a função de decidir sobre temas que julgasse urgentes. A partir de segunda-feira (20) e até o fim do mês, a tarefa será do vice-presidente do Supremo, ministro Luiz Fux.
Com isso, caso a PGR envie posicionamento até 31 de janeiro, Fux poderá decidir se paralisa ou mantém as investigações em curso no Rio de Janeiro. Se não decidir, o caso volta às mãos de Gilmar Mendes a partir de 1º de fevereiro.

Por Mateus Rodrigues, G1

JUSTIÇA BRASILEIRA

Toffoli deixa para Gilmar análise de soltura de investigados na Calvário



O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, deixou para o ministro Gilmar Mendes, relator da Operação Calvário no STF, a decisão em conceder ou não os pedidos de habeas corpus impetrados na corte por investigados que seguem presos.
A medida de Toffoli, tomada neste sábado (18), se encaixa para Coriolano Coutinho, Waldson Sousa, José Arthur Viana, Márcio Nogueira, Valdemar Abdalla, Vladmir Neiva e Bruno Caldas.
“O caso não se enquadra na hipótese de atuação excepcional da Presidência (RISTF, art. 13, VIII). Encaminhem-se os autos ao gabinete do eminente relator para análise oportuna”, argumentou o ministro.
Parecer da Procuradoria-Geral da República
Nessa semana, a subprocuradora-Geral da República, Cláudia Sampaio, apresentou ao STF pareceres pela manutenção das prisões dos investigados.
“É indiscutível que a prisão dos principais agentes da organização criminosa é necessária para garantia da ordem pública, ameaçada pela reiteração delitiva do grupo. É que somente com a prisão dos principais agentes será possível a desestruturação do grupo, que há muito pratica crimes de especial gravidade. Não se trata de mero juízo hipotético, mas de ógico exame de que se há reiteração no crime por pessoa ou organização criminosa, a prisão serve para obstar a continuidade dessas infrações em prejuízo da sociedade”, argumenta a procuradora.

Por Wallison Bezerra – MaisPB 

INDICAÇÃO DE BOLSONARO

Bolsonaro poderá indicar 22 nomes para diretorias de agências

Presidente Bolsonaro indicará nomes para as agências reguladoras Foto: Adriano Machado / Reuters
Presidente diz que que irá obedecer a critérios técnicos nas nomeações as quais terá direito.

O presidente Jair Bolsonaro poderá indicar 22 nomes para assumir diretorias das agências reguladoras até o fim de 2020, como antecipou o colunista do GLOBO Ancelmo Gois. O ano começa com seis vagas abertas, e outras 16 cadeiras ficarão disponíveis ao longo dos próximos meses. Entre os postos estarão o de presidente de quatro órgãos reguladores.
Nesta semana, o diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Décio Oddone, se antecipou e decidiu deixar o cargo antes do previsto. Também estarão disponíveis as vagas de presidentes das agências de Transportes Terrestres (ANTT), Aviação Civil (Anac) e Transportes Aquaviários (Antaq).
As agências são responsáveis por controlar a qualidade dos serviços prestados à população nos seus segmentos de atuação, como energia elétrica, telecomunicações, petróleo, rodovias, ferrovias e aeroportos. Elas definem regras para exploração da atividade por parte da iniciativa privada em setores que representam quase 60% do Produto Interno Bruto (PIB), participam da elaboração de editais de licitação, firmam e fiscalizam contratos.
Bolsonaro disse nesta semana que irá obedecer a critérios técnicos nas nomeações as quais terá direito. Afirmou, porém, que as agências são importantes, autônomas, “mas não são soberanas”. O presidente esteve envolvido numa polêmica, nos últimos dias, quando pressionou a Agência Nacional de Energia elétrica (Aneel) contra uma proposta para reduzir subsídios a quem gera sua própria energia — o que ocorre principalmente por meio de painéis solares.

O Globo - Por Manoel Ventura

FUNDO ELEITORAL

Novo partido não usará fundo eleitoral sancionado, diz Bolsonaro

Jair BolsonaroFoto: José Cruz/Agência Brasil


Presidente participou de evento de apoio ao Aliança pelo Brasil

Novo partido criado pelo presidente Jair Bolsonaro, o Aliança pelo Brasil não usará a verba do fundo eleitoral de R$ 2 bilhões, sancionado na sexta-feira (17) à noite com o Orçamento de 2020. O presidente deu a declaração durante discurso em evento para mobilizar apoiadores da nova legenda, na Associação Comercial do Distrito Federal, em Brasília.
O presidente justificou que a não sanção do fundo aprovado pelo Congresso poderia implicá-lo em crime de responsabilidade. Ele disse que sancionou o fundo eleitoral a contragosto, mas assegurou que o Aliança não usará esses recursos para angariar apoiadores nem para disputar as eleições municipais deste ano, caso a legenda consiga levantar assinaturas suficientes para oficializar a criação.
“Temos que agir com inteligência. De vez em quando, recuar. Algumas coisas, eu sanciono contra a minha vontade. Outras, eu veto contra a minha vontade também. O Brasil não sou eu”, disse o presidente à plateia de apoiadores. 
Em relação à economia, Bolsonaro disse que manterá a linha liberal, com a diretriz de diminuir o tamanho do Estado. O presidente afirmou que essa não era sua visão no passado, mas disse que, no governo, a cada dia se surpreende ao descobrir a existência de determinados órgãos. Como nos últimos dias, ele reafirmou a defesa da retirada de intermediários no transporte de combustíveis, para reduzir o preço final aos consumidores, e defendeu a venda direta de etanol das usinas para os postos de abastecimento.
Por: Agência Brasil

RELATANDO ATAQUE

Trump relata ataque a Soleimani a doadores republicanos nos EUA

Presidente dos Estados Unidos, Donald TrumpFoto: WIN MCNAMEE / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP


Na noite de sexta-feira, o presidente americano fez o relato aos doadores do Partido Republicano, reunidos em sua residência em Mar-a-Lago, Flórida

O presidente americano, Donald Trump, revelou os detalhes dos últimos minutos de vida do poderoso general iraniano Qassem Soleimani, assassinado pelo Exército dos Estados Unidos em um ataque que "sacudiu o mundo".
Na noite de sexta-feira, o presidente americano fez o relato aos doadores do Partido Republicano, reunidos em sua residência em Mar-a-Lago, Flórida, para um dos muitos jantares privados de arrecadação de fundos que tem previstos.
A rede CNN transmitiu uma gravação de áudio na qual se ouve o bilionário falar do oficial de alta patente da Guarda Revolucionária, o exército ideológico da República Islâmica do Irã, assassinado em 3 de janeiro no aeroporto de Bagdá, juntamente com o tenente iraquiano Abu Mehdi al Muhandis.
"Suponha-se que era invencível", afirmou Trump.
"Disse coisas ruins sobre o nosso país", acrescentou Trump, referindo-se a Soleimani. "Disse (frases) como, 'vamos atacar seu país, vamos matar tua gente'. Disse, 'Quanto tempo temos que escutar essa merda'", assegurou.
Trump em seguida reproduziu a cena, imitando os soldados que se dirigiram a ele, enquanto seguia simultaneamente a operação nos Estados Unidos.
"Disseram, 'Estão juntos, senhor (...) Têm dois minutos e 11 segundos de vida. Estão no automóvel. Estão em um veículo blindado que está andando. Senhor, têm cerca de um minuto de vida. Senhor... 30 segundos, dez, nove, oito'. E, de repente, bum! 'Não estão mais ali, senhor'", relatou.
O presidente americano pareceu contente em ter eliminado "dois pelo preço de um", referindo-se às mortes de Soleimani e al Muhandis.
Trump admitiu que o ataque havia "sacudido o mundo", mas disse que o general iraniano "merecia ser atingido com força". "Como era mau, matou (...) centenas de milhares de pessoas e milhares de americanos", acrescentou.
Dias depois deste incidente, o Irã disparou mísseis contra alvos americanos no Iraque, o que não provocou mortes. Em virtude dessas represálias, o Exército iraniano, no entanto, derrubou "por engano" um avião de passageiros ucraniano que tinha decolado de Teerã, matando as 176 pessoas a bordo.
Por: AFP

DECEPÇÃO TOTAL

Bolsonaro reclama de 'cascas de banana' e de decepções com aliados

Presidente Jair BolsonaroFoto: Sergio LIMA / AFP


No evento de mobilização do Aliança pelo Brasil promovido no Distrito Federal, o presidente se queixou de 'decepções' e 'ingratidões'

O presidente Jair Bolsonaro fez um desabafo público neste sábado (18) e disse não saber como pessoas de bem ficam felizes com um cargo no Poder Executivo.
No evento de mobilização do Aliança pelo Brasil promovido no Distrito Federal, partido que pretende viabilizar neste ano, ele se queixou de "decepções" e "ingratidões" e acrescentou que "cascas de banana" têm feito "vítimas fatais" em seu governo.
Na quarta-feira (15), a Folha de S.Paulo revelou que o chefe da Secom (Secretaria de Comunicação Social), Fabio Wajngarten, recebe, por meio de uma empresa da qual é sócio, dinheiro de emissoras de televisão e de agências de publicidade contratadas pelo governo federal.
Dois dias depois, o secretário especial de Cultura, Roberto Alvim, foi demitido após ter parafraseado, em um vídeo institucional, Joseph Goebbels, ministro da propaganda da Alemanha Nazista. Antes de ser exonerado, o então auxiliar presidencial se referiu ao episódio como uma "casca de banana".
"Não podemos esquecer que as cascas de banana não aparecem na tua frente do nada. Alguém coloca ali. E é comum acontecer em meu governo. A grande maioria a gente consegue desviar delas. Mas de vez em quando algumas fazem com que vítimas fatais apareçam", disse.
No início do evento, ao qual havia decidido em um primeiro momento não comparecer, ele chegou a chorar durante a execução do Hino Nacional. No discurso, disse que sabia que a rotina de presidente "não seria fácil" e que o exercício do mandato é "coisa pesada".
"Eu sabia que não seria fácil. Sabia do peso sobre as minhas costas eu vencendo a eleição. A cruz é pesada. Eu não sei como pessoas de bem possam ficar felizes com cargo no Poder Executivo. Não sei", afirmou. "A coisa é pesada. Decepções, ingratidões e gente que se revela depois que assume o poder", ressaltou.
Ele voltou a dizer que "nenhuma denúncia de corrupção" se abateu sobre a sua equipe de ministros, apesar de dois auxiliares presidenciais, Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) e Ricardo Salles (Meio Ambiente), serem investigados pelo Ministério Público.
"Graças a Deus nenhuma denúncia de corrupção se abateu sobre os nossos ministros, presidentes de estatais e cargos oficiais. Pode acontecer alguma coisa? Pode. Mas será alheio à nossa vontade. E buscaremos uma solução o mais rápido possível", afirmou.
Bolsonaro criticou a imprensa, dizendo que ela quer o mal do governo, disse que pode tentar a reeleição em 2022 e sinalizou que pode disputar novamente o cargo de presidente no futuro, após encerrado o período de oito anos previsto na Constituição Federal.
"Não é uma lua de mel. É um casamento de quatro ou oito anos. Ou, quem sabe, por mais tempo lá na frente. É um casamento que os frutos serão o bem-estar desse povo", indicou.
Ao longo deste mês, o Aliança pelo Brasil tem feito uma série de eventos para conseguir apoio suficiente para viabilizar o registro da legenda na Justiça Eleitoral. Para participar das eleições municipais, são necessárias 492 mil assinaturas até abril, o que o próprio presidente considera quase impossível.
Para não melindrar outras unidades federativas, ele havia informado a auxiliares presidenciais que não compareceria ao evento no Distrito Federal. Neste sábado (18), no entanto, ele mudou de ideia e foi ao encontro, mesmo com o risco de criar insatisfação com a base da nova sigla.
Segundo aliados do presidente, ele decidiu ir de última hora para dar uma satisfação a eleitores bolsonaristas sobre o motivo de ter sancionado um fundo eleitoral de R$ 2 bilhões no Orçamento de 2020, decisão criticada por simpatizantes do governo.
Folhapress

PREVISÃO DO TEMPO

Domingo será sem chuva no Grande Recife, prevê a Apac

Céu parcialmente nublado


Já a região do Agreste deve ter pancadas de chuva de forma isolada no período da tarde e noite com intensidade fraca

Este domingo (19) deve ser de céu nublado e dia sem chuvas na Região Metropolitana do Recife (RMR) segundo a Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac). A temperatura permanece estável e a máxima pode chegar a 33°C enquanto a mínima deve ser 22°C.
As Zonas da Mata Norte e Sul também terão um dia nublado com temperatura mínimas de 21°C sem previsão de chuva.
Confira a previsão completa:Região MetropolitanaParcialmente nublado sem chuva em toda a região ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 33° Mínima: 23°
Mata Norte
Parcialmente nublado sem chuva em toda a região ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 34° Mínima: 22°

Mata Sul
Parcialmente nublado sem chuva em toda a região ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 36° Mínima: 22°
Agreste
Parcialmente nublado com pancadas de chuva de forma isolada no período da tarde e noite com intensidade fraca.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 35° Mínima: 18°
Sertão de Pernambuco
Parcialmente nublado sem chuva em toda a região ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 37° Mínima: 19°
Sertão de São Francisco
Parcialmente nublado sem chuva em toda a região ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 38° Mínima: 23°
FolhaPE

PERNAMBUCO NAS ELIMINATÓRIAS DA COPA

Seleção Brasileira fará estreia nas Eliminatórias para a Copa do Catar na Arena de PE

Arena pode receber segundo jogo de Eliminatórias de Copa (Foto: Paulo Paiva/DP Foto)


Confronto entre Brasil e Bolívia acontece no próximo dia 26 de março e será primeiro desafio da Canarinha em busca do hexacampeonato mundial


Uma semana depois de o presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Carvalho desacreditar da realização de algum jogo das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2022 em Pernambuco, o estado já está com tudo certo para sediar o jogo de estreia da Seleção Brasileira no torneio qualificatório. Marcado para 26 de março, o confronto contra a Bolívia será realizado na Arena de Pernambuco. A informação foi dada inicialmente pelo colunista Ancelmo Góis e confirmada pelo Superesportes, faltando, apenas, o anúncio oficial.

Segundo Evandro Carvalho, a realização do jogo na Arena ainda não passa de uma possibilidade, com quatro cidades nordestinas (Fortaleza, Natal, Recife e Salvador) na disputa para receber o confronto contra a seleção de Alejandro Chumacero e Marcelo Moreno. O cenário, porém, já está mais garantido para a Arena de Pernambuco, que está sendo vistoriada pla CBF para ter a confirmação oficial de São Lourenço da Mata como sede da partida.
 
Vale lembrar que, em jogos de seleções, a Arena de Pernambuco já ganhou experiência tendo sido sede da Copa das Confederações de 2013 (3 jogos), da Copa do Mundo de 2014 (5 jogos) e das Eliminatórias da Copa da Rússia (1 jogo). Curiosamente, a seleção com mais partidas na Arena é a do Uruguai, com três partidas. Com o novo jogo, o Brasil igualará Itália, Japão e Costa Rica, com dois jogos cada.

Esta será a segunda vez que Brasil e Bolívia se enfrentam no estado. Antes, em 1993, a Canarinha aplicou uma sonora goleada por 6 a 0 sobre La Verde, com gols de Bebeto (2), Raí, Muller, Branco e Ricardo Gomes. O jogo foi disputado no Estádio do Arruda, lotado por 74 mil torcedores. A partida foi válida pelas Eliminatórias para a Copa dos Estados Unidos, em 1994, na qual o Brasil se sagrou tetracampeão mundial.


PERNAMBUCANO 2020

Violência marca saída do jogo entre Central e Retrô, pelo Campeonato Pernambucano

Relatos são de que objetos foram arremessados pela torcida do Central (Foto: Cortesia)


"Não foi briga de torcida, a gente foi atacado", disse uma testemunha atingida na confusão


A vitória do Retrô, por 2 a 0, diante do Central, pelo Campeonato Pernambucano na noite deste sábado foi rapidamente ofuscada de maneira lamentável por um episódio de violência na saída do estádio Luiz Lacerda, em Caruaru. Segundo testemunhas, a torcida do Central iniciou uma briga com torcedores do Retrô, que tiveram que deixar a cidade escoltados pela Polícia. Cerca de quatro pessoas foram feridas e uma, atingida na cabeça, está sendo encaminhada para o hospital.

“O jogo acabou e a torcida do Retrô foi a primeira a sair. Subimos nos ônibus, que estavam enfileirados, mas o ônibus não saiu, porque a torcida do Central cortou um dos fios do motor. Eles se aproximaram e agrediram o motorista do primeiro ônibus. Tinha banco de madeira sendo jogado, pedra de gesso, e a gente não conseguia sair”, disse uma professora do curso de Comunicação da Unibra e torcedora do Retrô, que pediu para não ter sua identidade revelada.

“A polícia nos acompanhou até a saída da cidade. Foram de três a quatro feridos. E tem uma mulher em atendimento no hospital em Caruaru, com pancada na cabeça”, comentou.

A torcedora contou ainda que, apesar da presença de policiais, a situação não sofreu intervenção das autoridades de segurança. “Isso tudo estava acontecendo e a polícia a menos de 50 metros. Quando saí do estádio vi o carro do GATI, e eles nada fizeram. Foram uns cinco minutos de briga. A torcida do Central abordou e foi pra cima, não passavam de 20 (integrantes)”, afirmou. 

A torcida do Retrô saiu da capital pernambucana com destino à Caruaru em caravana, dividida em três ônibus. O meio de transporte, na hora do desespero, foi também lugar de refúgio. “Eles brigavam e a gente jogava gente pra dentro do ônibus. Começaram a brigar, pegaram o motorista e bateram nele. A gente que estava no segundo (ônibus) teve que descer. Eles batiam em quem desceu”, relembrou. “Não foi briga de torcida, a gente foi atacado”, argumentou.

A professora foi uma das pessoas atingidas no episódio, e detalhou o momento em que foi atingida. “Nós abaixamos dez segundos antes da pedra bater na minha janela. Quebrou a película e os estilhaços foram na minha perna e nas minhas costas”, disse.

Ela fez questão também de ressaltar o contraste do espírito esportivo da partida, com a violência presenciada.“Nunca passei por isso. A gente vem num jogo tranquilo em campo, chegamos bem, mas na hora de ir embora infelizmente isso aconteceu. Lamentável”, comentou.

Em contato com a reportagem do Superesportes, a assessoria do Retrô disse que ainda está apurando os fatos, para então se pronunciar. A mesma resposta foi dada pela assessoria do Central.

DP