GIF Patrocinador

GIF Patrocinador

domingo, 17 de novembro de 2019

CAMPEONATO BRASILEIRO

Sport apenas empata com o Vila Nova, adia acesso e frustra festa na Ilha do Retiro

Leão não teve competência para derrota o vice-lanterna da Série B e fazer a festa do acesso já neste domingo (Foto: Paulo Paiva/DP)


Equipe rubro-negra não saiu do 0 a 0 com a equipe goiana e agora precisa de mais um ponto para subir


Uma frustração do tamanho do maior público do Sport nesta Série B. Em uma Ilha do Retiro lotada por 24.420 torcedores, faltou competência para o rubro-negro vencer o rebaixável Vila Nova. O empate por 0 a 0 ainda deixa o Leão muito próximo do retorno à Série A. Para não depender de nenhum outro resultado, basta somar apenas mais um ponto. Mas neste domingo, foi inegável o sentimento de tristeza em um palco montado para uma festa.
 
Dessa forma, a equipe pernambucana também perdeu, pela oitava vez, a chance de emendar uma sequência de três vitórias seguidas na competição.

A nova chance do Sport voltar para a elite do futebol nacional junto com a sua torcida será na próxima quarta-feira diante da Ponte Preta, novamente na Ilha do Retiro. Para essa partida, o técnico Guto Ferreira não terá o lateral esquerdo Sander e o volante Willian Farias, que receberam o terceiro cartão amarelo. 

O jogo

Para a partida, o técnico Guto Ferreira ganhou um desfalque de última hora. Com dores no tendão, o zagueiro Rafael Thyere foi vetado. Com isso, Cleberson foi acionado. No meio de campo, ainda com dores musculares, Leandrinho seguiu de fora. Desta forma, assim como na vitória sobre o Botafogo-SP, na última quarta-feira, Guilherme foi recuado, com Marquinho sendo acionado no ataque.

No entanto, nos primeiros minutos, as ausências não foram sentidas pelo Sport, que procurou se impor logo de imediato. Sendo assim, logo nos 15 minutos iniciais, os rubro-negros construíram três boas chances de abrir o placar, com Guilherme e Elton, duas vezes. Uma delas, em um lance plástico, de bicicleta.

No entanto, aos poucos, a partida foi se tornando mais difícil que o imaginado. Isso porque, com a corda do rebaixamento no pescoço, o Vila Nova não ficou limitado a apenas se defender e também criou suas chances. Obrigando, inclusive, o goleiro Luan Polli a fazer uma excelente defesa, em finalização de Robinho.

Porém, apesar da boa marcação da equipe goiana, escalada com três volantes, a diferença técnica entre as duas equipes era nítida. Bastava ao Sport fazer valer isso em campo. O que passava principalmente pela melhora dos atacantes de lado, com Hyuri e principalmente Marquinho, novamente em má jornada. Ainda assim, antes de descer para o vestiário, os leoninos poderiam ter aberto o placar com Elton (de cabeça) e o próprio Marquinho (em chute rasteiro, cruzado).

Segundo tempo

No retorno para a etapa final, Guto Ferreira sacou Marquinho para a entrada de Yan, na intenção justamente de dar maior volume ofensivo pelos lados, com qualidade e velocidade. Porém, o primeiro lance de perigo foi para o Vila Nova, com um chute perigoso de Capixaba, que desviou em Cleberson, e assustou Luan Polli, aos cinco minutos. Na sequência, Gustavo Henrique cabeceou para fora. A tensão só crescia na Ilha.

E com Guilherme atuando cada vez mais longe da área, o Sport tinha dificuldade para passar da linha de marcação do Vila no meio de campo. Tanto que a primeira boa chance rubro-negra no segundo tempo foi quando o camisa 11 voltou recebeu na ponta esquerda, cruzou voltando na área, mas ninguém chegou para completar. Enquanto isso, o Vila seguia assustando, tendo até os 21 minutos o dobro de chutes a gol (8 a 4).

Aos 22, Guto foi obrigado a fazer sua segunda mudança, com Adryelson saindo machucado para a entrada de Eder. Desta forma, o Sport passava a atuar com a sua dupla de zaga reserva. Na frente, o Leão voltou a aparecer com perigo após boa arrancada de Sander e cruzamento para Guilherme que, na área, chutou em cima do goleiro Rafael Santos.

Aos 30 minutos veio a última cartada do técnico rubro-negro, com a saída de Hyuri e a entrada de Marcinho. Deslocando novamente Guilherme para a frente. No entanto, a última chance de fazer a Ilha explodir veio aos 45 minutos, em chute rasteiro e Willian Farias, de fora da área, com Rafael Santos fazendo excelente e dificílima defesa. No final, ao invés dos esperados aplausos, o time saiu de campo sob vaias.

Ficha do jogo

Sport 0
Luan Polli; Norberto, Cleberson, Adryelson (Eder) e Sander; Charles, Willian Farias e Guilherme; Marquinho (Yan), Elton e Hyuri (Marcinho). Técnico: Guto Ferreira.

Vila Nova 0
Rafael Santos; Felipe Rodrigues, Diego Jussani, Elivelton e Jeferson;  Edinho, Magno e Araújo (Joseph); Robinho (Elias), Capixaba e Gustavo Henrique (Mailson). Técnico: Itamar Schulle.

Local: Ilha do Retiro
Árbitro: Marielson Alves da Silva (BA)
Assistentes: Jucimar dos Santos Dias e José Carlos de Oliveira Santos (ambos da BA)
Cartões amarelos: Magno, Felipe Rodrigues, Capixaba (V), Willian Farias, Sander (A)
Público: 24.420

DP

PAPO DE PESO TV COM PEDRO LUIZ DIRETO DA BOMPORTE ORTOPEDIA COM CARLOS MARQUES

FORA OS PENDURICALHOS

País quebrado, MP do Trabalho fará concurso com salário inicial de R$29 mil

Setores do serviço público continuam agindo como se não houvesse amanhã

Enquanto o governo Bolsonaro ensaia uma “reforma administrativa” cosmética, o setor público se comporta como se não houvesse amanhã, sem qualquer compromisso com redução de gastos públicos. O Ministério Público do Trabalho (MPT) abriu concurso para procurador cujo salário inicial, à espera dos penduricalhos de praxe, é de R$28.947,55. O cidadão abestado que se vire para pagar tudo isso. 
O salário inicial do procurador do MPT corresponde a nada menos que 29 salários mínimos no valor de R$998.
Com apenas um mês de salário, o futuro procurador do MPT poderia alimentar 79 famílias adquirindo-lhes cestas básicas.
No serviço público federal, para cada R$100 gastos em salários, mais R$77 são pagos em penduricalhos. No total, R$42 bilhões por ano.

A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

DEPUTADOS A FAVOR DO CRIME

Câmara ‘sepultou’ Pacote Anticrime e o ministro Sérgio Moro nem sabe

Moro chegou a dizer ter retomado a confiança após a aprovação da Reforma da Previdência

A comissão de deputados criada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ele próprio alvo de citações na Lava Jato, liquidou os projetos do ministro Sérgio Moro (Justiça). O grupo de 17 deputados se encarregou de ‘matar’ o Pacote Anticrime. As propostas mais importantes, do “excludente de ilicitude” à prisão em 2ª instância, tudo foi engavetado ou “aperfeiçoado”. Moro não parece ciente da morte do seu pacote: há dias, ele disse haver retomado a confiança após a Reforma da Previdência. 
Advogados da Lava Jato foram escolhidos a dedo pela comissão criada por Rodrigo Maia, como “consultores” para detonar o Pacote Anticrime.
Crítico da Lava Jato, o criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro (Kakay) foi um dos “ouvidos” pelo paredão de fuzilamento do pacote.
Kakay confirma que o projeto de Moro está mortinho da silva. “O pacote dele foi absolutamente derrotado” pela comissão, comemora ele.
Em setembro passado, Rodrigo Maia afirmou que a Câmara “deve aprovar a maior parte” ou 60 a 70% do pacote. Ele esconde o jogo.
A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

EVO MORALES

 "OEA também é responsável pelo golpe"

Foto: BBC News Brasil
Do México, onde recebeu asilo político após renunciar à presidência da Bolívia, Evo Morales afirma que uma ditadura foi instaurada no país quando militares exigiram que ele deixasse o cargo e a oposição tomou o poder. Relatório da OEA apontava irregularidades no pleito que o elegeu para um quarto mandato. Morales nega acusações de fraude eleitoral e reforça que concordou com novas eleições.

Evo Morales, que em 2006 foi eleito o primeiro presidente indígena da Bolívia, está em um quarto de um hotel na Cidade do México, com uma intensa agenda de entrevistas e chamadas telefônicas.
Comenta que manteve seu velho hábito de levantar-se de madrugada desde que chegou ao México como asilado político, depois de renunciar à Presidência da Bolívia e denunciar um golpe de Estado no país, na semana passada.
Em uma franca e por vezes acalorada entrevista com a BBC News Mundo, Morales afirma que "a OEA (Organização dos Estados Americanos) também é responsável pelo golpe de Estado" e que o governo que assumiu a Bolívia é uma ditadura que terá resistência de movimentos sociais e indígenas.
A Bolívia enfrenta grave crise desde as eleições, em outubro, que foram conturbadas e nas quais houve acusações de fraude. Após a OEA fazer uma auditoria no pleito, relatar irregularidades e questionar sua vitória no primeiro turno, Morales concordou em fazer novas eleições, mas militares "pediram" sua saída e ele acabou renunciando ao cargo.
Na entrevista à BBC, ele diz que não cometeu nenhuma ilegalidade nas eleições e afirma que os Estados Unidos foram cúmplices no processo que o levou a abandonar o cargo. E não descarta ser candidato novamente no futuro. "Vai depender dos movimentos sociais e do povo da Bolívia", afirma.
Leia abaixo trechos selecionados da extensa conversa que o ex-presidente teve com o jornalista da BBC News Mundo, Gerardo Lissard, na capital mexicana.

Do Terra - Por Gerardo Lissardy - Enviado especial da BBC News Mundo ao México

TEMER X LULA

Temer: fala de Lula "invoca" polarização

Foto: Agência Brasil | EBC 
Em Congresso do MBL, ex-presidente acrscentou que a autocrítica é importante para fundamentar eventuais recuos e, sem citar Lula neste momento, afirmou que "só não recua quem é ditador e autoritário"

O ex-presidente da República Michel Temer (MDB) criticou, neste sábado, declarações do também ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre o PT não ter de fazer autocrítica. Para Temer, que esteve no 5º Congresso Nacional do Movimento Brasil Livre (MBL) em São Paulo, a fala do petista “invoca” a polarização.
“Eu lamento muito que o ex-presidente Lula tenha se manifestado nesses dias aumentando esta radicalização ou ainda esta polarização”, disse Temer. “Acho que o Lula faria muito bem se saísse e dissesse olha, meus caros, eu saio daqui e eu quero a unidade do País e não colocar brasileiro contra brasileiro, mas sim brasileiro com brasileiro. Lula não fez bem invocando a polarização.”
Temer disse que a autocrítica é importante para fundamentar eventuais recuos e, sem citar Lula neste momento, afirmou que “só não recua quem é ditador e autoritário”.
“Autocrítica é sempre fundamental. Eu fazia essa autocrítica quando eu estava na Presidência. De vez em quando, eu praticava os atos e havia muita objeção até da imprensa. Eu reverificava o tema e, às vezes, regulava. E aí as pessoas criticavam porque eu recuava. Mas o recuo é algo democrático. Só não recua quem é ditador e autoritário. Discordo dos que dizem que não é preciso fazer autocrítica.”
Na quinta, em Salvador, Lula fez seu primeiro pronunciamento para o PT, durante a Executiva Nacional da sigla. Ele disse que o partido não precisa fazer nenhuma autocrítica e que “vai polarizar” na disputa presidencial em 2022.


“Tem companheiro do PT que também fala que tem que fazer autocrítica. Faça você a crítica. Eu não vou fazer o papel de oposição. A oposição existe para isso”, disse Lula. Sobre a polarização, Lula afirmou: “Sabe quem polariza? Quem disputa o título. O PT polarizou em 1989, 94, 98, 2002, 2006, 2010, 2014 e 2018, e vai polarizar em 2022.”

O Dia

MEGA-SENA ACUMULADA DE NOVO

Mega acumula e pode pargar R$ 13,5 milhões no próximo concurso

Cartelas da Mega-Sena Foto: / Arquivo O Globo
Confira as dezenas sorteadas neste sábado no concurso 2.208

Nenhum apostador acertou as seis dezenas do concurso 2.208 da Mega-Sena, realizado neste sábado. O próximo sorteio pode pagar R$ 13,5 milhões.
As dezenas sorteadas são: 16 - 25 - 30 - 40 - 45 - 49
A quina teve 17 apostadas ganhadoras, que vão levar R$ 113 mil cada. Já a quadra, foram 1.708 vencedores que vão receber R$ 1.612,63.
O acumulado para Sorteio Especial Mega da Virada é de R$ 86 milhões.

O Globo

MINISTÉRIO PÚBLICO

Decisão no caso Flávio "desborda" recurso no STF

 Tânia Rêgo/Arquivo/Agência Brasil 
Para a entidade, a decisão no caso Flávio Bolsonaro, precisa ser reformulada, não só pelos efeitos práticos mas para preservar o "sistema investigatório legalmente constituído."

O Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ) enviou ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, manifestação indicando que a decisão de suspender todos os processos e investigações que abrigam Relatórios de Inteligência Financeira do antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) “desborda por completo” o tema do recurso que será analisado pela Corte no próximo dia 20.
Para o Ministério Público do Rio a decisão precisa ser reformulada, não só pelos efeitos práticos mas para preservar um “sistema investigatório legalmente constituído e que preserva os ditames republicanos”.
Desborda
O documento, de 20 páginas, é subscrito pelo subprocurador-geral de Justiça de Assuntos Criminais e Direitos Humanos Ricardo Ribeiro Martins e pelo assessor-chefe da Assessoria de Recursos Constitucionais e Criminais da Procuradoria-Geral de Justiça Orlando Carlos Neves.
A ordem do presidente do Supremo foi dada a partir de um pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), o 01, filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro.
O senador é alvo de investigação da Promotoria do Rio por suposta lavagem de dinheiro quando exercia o mandato de deputado estadual fluminense.

Da Veja - Por Estadão Conteúdo

SER FELIZ TODO DIA

Felicidade: sentimento que precisa ser vivenciado a cada dia

Bruno Severo, professor da Universidade Federal de PernambucoFoto: Caio Danyalgil/Folha de Pernambuco


Fugindo dos estereótipos e dos clichês, a definição e a construção do sentimento ultrapassa um estado fixo de espírito, ou de um objetivo inalcançável

“Técnicas de meditação para diminuir a ansiedade, agradecer sempre, relembrar as coisas que deram certo e não focar naquilo que está dando errado são algumas das maneiras que fazem o indivíduo potencializar aquilo que já tem de bom”, indica Severo.A felicidade pode ser um estado de espírito. Pode estar numa boa música daquele CD favorito ou até numa colherada de um bom brigadeiro. A felicidade pode ser e se transformar em diversas coisas. Mas afinal… podemos definir com exatidão um sentimento tão complexo, individual e abstrato? Mesmo sem determinar com formas e palavras o que é a felicidade, podemos dizer que ela pode e precisa ser trabalhada diariamente.

“A felicidade não é um estado contínuo. Ninguém é feliz o tempo inteiro, pois a tristeza faz parte, por isso precisamos trabalhar hábitos diários”, comenta o professor do Centro de Biociências da Universidade Federal de Pernambuco e coordenador do Núcleo de Saúde do Estudante, Bruno Severo. “Um caminho é potencializar as energias positivas, e não esquecer daquilo de bom que já foi feito”, completa.

O professor leciona semanalmente uma disciplina eletiva chamada “Felicidade”, pertencente ao Departamento de Biomedicina da UFPE, mas que é aberta a toda a comunidade universitária. Nela, são abordados diversos temas, desde como a atividade física ajuda a impulsionar sensações positivas até práticas para abraçar pessoas na rua e desenvolvimento da comunicação social.

A disciplina é inspirada pelo curso já aplicado na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. A prática gerou o livro “O Jeito Harvard de Ser Feliz”, que procura discutir a felicidade e ensinar o leitor a colher os frutos de uma atitude mental mais positiva. No Brasil, além da UFPE, a Universidade de Brasília (UnB) e a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) também abordam a temática no meio acadêmico.

De acordo com uma pesquisa recente do Instituto Ipsos, no Brasil, 61% dos entrevistados consideram-se muito felizes ou felizes, representando uma queda de 12 pontos percentuais em relação à última edição, feita em 2018, quando o resultado foi de 73%. No mundo, o índice de felicidade também caiu de 70% para 64%.

A pesquisa “Global Happiness Study” (Estudo Global da Felicidade, em português, foi divulgada neste ano, e feita on-line com 20,3 mil entrevistados em 28 países, entre 24 de maio e 7 de junho de 2019. Ao mesmo tempo em que os “níveis” de felicidade diminuem, a busca por auxílio e respostas sobre o que é felicidade aumentam.

Em tempos que doenças e transtornos como ansiedade, depressão e síndrome do pânico são temas mais corriqueiros. No Brasil, por exemplo, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, 18,6 milhões de brasileiros (9,3% da população) convivem com o transtorno de ansiedade. Acompanhando as dinâmicas da modernidade, o estudo sobre a felicidade e as tentativas de melhorar a vida cotidiana aumentam.

“Um jeito legal de tentar encontrar a felicidade além do clichê é o modo de construir uma existência criativa. Não realizando exatamente arte e cultura, mas sim aquilo que lhe faz perceber que está vivo, encontrando gosto pela vida e pelas coisas para ficar bem”, comenta a psicanalista e psicóloga do Centro de Pesquisa em Psicanálise e Linguagem (CPPL) Rafaela Paixão.

No campo da psicologia, a ideia não é diferente. A construção da felicidade não é definitiva nem é um estado linear, mas sim algo perpassado pelas atitudes diárias. “Sem dúvida é algo que se constrói no dia a dia, passando nas relações interpessoais, na afetividade, nas experiências de amizades, amorosas, familiares, estes vínculos que são prazerosas são contidos não só em experiências de conquista, mas também resultado daquilo que a gente lida”, explica Rafaela.

História
As reflexões sobre o “ser feliz” e sobre como alcançar este estado de espírito durante vida não são recentes. Desde a Grécia Antiga, pensadores e filósofos trazem questionamentos, como Tales de Mileto, que viveu entre as últimas décadas do século 7 a.C. e a primeira metade do século 6 a.C. De acordo com o grego, é feliz “quem tem corpo são e forte, boa sorte e alma bem formada”.

Já para o “pai” da psicanálise, Sigmund Freud, a felicidade está atrelada ao fazer e à busca de atividades prazerosas. “Obtém-se o máximo (de felicidade) quando se consegue intensificar suficientemente a produção de prazer a partir das fontes do trabalho psíquico e intelectual”, citou o psicanalista em seu livro “O Mal Estar na Civilização”, de 1929.

Abordando na perspectiva contemporânea, em 1989, o filósofo espanhol Julián Marías também dedicou ao tema um livro notável, “A felicidade humana”, em que estuda a história dessa ideia, da Antiguidade aos nossos dias, ressaltando que a ausência da reflexão filosófica sobre a felicidade no mundo contemporâneo talvez seja um sintoma de como esse mesmo mundo anda muito infeliz.

Pequenas mudanças alegres

O caminho para a felicidade pode não ser único, uniforme, mas também não é inatingível. Um bom começo indicado por especialistas e estudiosos é, no dia-a-dia, mudar em pequenos atos. Desde o agradecimento sobre pequenos gestos, como poder beber água, andar até praticar gestos bondosos para pessoas próximas, a dica é não se cobrar tanto, buscando o bem-estar próprio e do outro.

Para o estudante de Biomedicina Gabriel Dornelas, 20 anos, as pequenas mudanças na atitude cotidiana acabaram rendendo bons frutos e uma vida mais leve. “Consegui terminar o período com a cabeça erguida e aprendi a não ignorar as coisas boas. Acabou me ajudando também em outras áreas”, fala.

Dornelas foi aluno da disciplina de “Felicidade”, ministrada pelo professor Bruno Severo na Universidade Federal de Pernambuco. Ele conta que ter uma maior noção sobre as práticas diárias e boas atitudes auxiliou também na potencialização da felicidade. “Para mim, felicidade é sinônimo de empatia e do sorriso dos outros. E é algo necessário para que não caiamos em poços escuros”, explica Dornelas, que afirmou ter melhorado na comunicação com a família e amigos.

Já para o comerciante Alberto de Souza Lopes, 65 anos, a felicidade está atrelada à saúde e à gratidão. “Minha maior felicidade é chegar na idade que estou e poder andar, namorar e fazer tudo o que desejo”, diz. Dono de um dos boxes no Mercado de São José, ele tenta passar o exemplo para a filha, Pâmela Lopes, que auxilia na gerência do estabelecimento.


FolhaPE

TRANSPARÊNCIA NOS RELATÓRIOS

PGR atua de forma transparente com relatórios de inteligência, diz Aras

O procurador-geral da República, Augusto Aras, designou sete procuradores para atuarem na Lava JatoFoto: Arquivo/Agência Brasil


Na sexta (15), Toffoli havia negado o pedido de Augusto Aras para revogar a entrega e o acesso de dados financeiros de 600 mil pessoas e empresas coletados pelo antigo Coaf, nos últimos três anos

O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou neste sábado (16), por meio de nota, que recebeu com tranquilidade a decisão do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, que pede para que o Ministério Público Federal forneça, de forma voluntária, os dados de cadastro e acesso de membros da instituição aos Relatórios de Inteligência Financeira (RIFs) produzidos pelo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), atual UIF (Unidade de Inteligência Financeira). As informações são da Agência Brasil.
Na sexta (15), Toffoli havia negado o pedido de Augusto Aras para revogar a entrega e o acesso de dados financeiros de 600 mil pessoas e empresas coletados pelo antigo Coaf, nos últimos três anos.
"A instituição [MPF] atua de forma transparente na busca de quaisquer indícios que possam servir de prova nos procedimentos investigativos em curso. Ressalta que esse rigor é aplicado na relação com as instituições que atuam na área de inteligência. Destaca ainda o fato de, na decisão, ter o ministro [Dias Toffoli] garantido que o STF não realizou o cadastro necessário ou teve acesso aos relatórios de inteligência, ratificando o que já havia lançado em nota pública. O procurador lembra que esta cautela é necessária para resguardar direitos individuais fundamentais e que são objeto de tutela do Ministério Público e de recomendações de organismos internacionais", informa a nota pública da PGR.
Além de pedir acesso aos dados, a decisão do presidente do STF determinou que a UIF especifique quais instituições e agentes estão cadastrados para o acesso às informações financeiras sigilosas das 600 mil pessoas e empresas. O ministro Dias Toffoli também quer saber quantos relatórios foram emitidos por iniciativa da própria da UIF, quantos foram pedidos por instituições e quais agentes pediram os relatórios e em que quantidade.
Os dados devem ser repassados ao Supremo até as 18h de segunda-feira (18). Segundo Toffoli, as informações fornecidas pelo Coaf serão usadas para embasar o julgamento do processo sobre o compartilhamento de informações financeiras sem autorização judicial, marcado para quarta-feira (20).
Folhapress

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Senado pode concluir votação da PEC paralela à reforma da Previdência nesta semana

Davi Alcolumbre, presidente do Senado FederalFoto: Valter Campanato/Agência Brasil


Além de emendas ao texto principal, os senadores também precisam votar a PEC em segundo turno

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), marcou a votação da PEC paralela à reforma da Previdência (PEC133/19) para a próxima terça-feira (19). Entre outros pontos o texto permite a inclusão de estados e municípios na reforma da Previdência.
Eles poderão adotar integralmente as mesmas regras aplicáveis ao regime próprio da Previdência Social para os servidores públicos civis da União por meio de lei ordinária. As informações são da Agência Brasil.
Além de emendas ao texto principal, os senadores também precisam votar a PEC em segundo turno. Alcolumbre já adiou a votação duas vezes, a última tentativa, na última terça-feira (12) pela falta de quórum. Sem votos suficientes para aprovar alterações, no texto, a oposição, pediu o adiamento. Alcolumbre quer concluir a votação dos dois turnos na terça. "Se der tudo certo", ponderou. Ele enfatizou que a proposta será o primeiro item da pauta.
O texto-base da PEC paralela foi aprovado em primeiro turno na semana passada com 56 votos a favor e 11 contra , mas ficaram pendentes de votação quatro destaques de bancadas partidárias referentes a emendas rejeitadas pelo relator Tasso Jereissati (PSDB-CE).
Além de abrir a caminho para inclusão de estados e municípios, o texto estabelece regras diferentes para servidores da área de segurança pública e abre a possibilidade de criação do benefício universal infantil, aprofundando a Seguridade Social para as crianças, o que estava previsto na proposta inicial de reforma da Previdência. A ideia é de que o benefício, que deverá ser criado posteriormente por lei, concentre recursos em famílias mais pobres e na primeira infância.
Se aprovada em dois turnos pelo plenário do Senado, a proposta seguirá para a apreciação da Câmara dos Deputados.

Folhapress

PERNAMBUCANO SUB-20

Nos pênaltis, Sport vence Náutico nos Aflitos e se sagra campeão pernambucano sub-20

Times protagonizaram um confronto disputado nos Aflitos (Foto: Anderson Stevens/ Sport Recife)



Após empate por 2 a 2 no tempo normal, deu Leão nas penalidades máximas


Deu Leão no Clássico dos Clássicos!  Em um confronto disputado, que acabou 2 a 2 no tempo normal com o rubro-negro arrancando empate no último lance - Juninho Carpina e Emerson marcaram para os alvirrubros, enquanto Ewerthon e Pedro Maranhão fizeram para os rubro-negros -, o Sport sagrou-se campeão pernambucano sub-20 após vitória por nas penalidades máximas na tarde deste sábado, nos Aflitos, que contou com um bom público - o setor de cadeiras do estádio estava cheio. O duelo, aliás, aconteceu na casa alvirrubro por causa de sorteio, assim como todo os mandos das outras fases da competição.

O título é o 36º rubro-negro, maior campeão e que não vencia a categoria desde 2017. Com o empate no tempo normal, o Leão, que dividiu as atenções com a Copa do Nordeste sub-20, terminou a campanha com cinco vitórias, cinco empates e uma derrota em 11 jogos. Já o Timbu terminou o campeonato com oito vitórias e um empate em nove partidas. O Náutico tem 22 troféus da competição.

O JOGO
Clássico é clássico e não importa a categoria. Como tal, a partida começou travada, com algumas disputas mais ríspidas. A primeira chance de perigo do confronto saiu pelo lado alvirrubro aos 18 minutos, com um chute de fora da área do meia Juninho Carpina, onde a bola passou raspando. O leão, no entanto, rapidamente respondeu, com Pedro Maranhão, que desperdiçou boa chance entrando na área.

A partir de então, o Timbu começou passou a ter superioridade. Com mais posse e presença no campo ofensivo, voltou a levar perigo em novo chute de Luiz Felipe de fora da área. Até que, aos 36 minutos, o Náutico conseguiu marcar o seu gol. Após boa troca de passes, Erik Maranhão foi derrubado dentro da área. Pênalti assinalado. Na bola, Juninho Carpina bateu bem, sem chances para o goleiro Túlio. Justa vantagem alvirrubra para o intervalo.

SEGUNDO TEMPO

Precisando do resultado, o Leão retornou para o jogo com mais força. Com seis minutos da etapa complementar o Sport um gol anulado e perdeu uma grande chance com Alessandro, que entrou livre, de frente para o goleiro João, mas chutou para fora.

Martelando, o rubro-negro, enfim, achou o seu gol. Após cobrança de escanteio, Ewerthon subiu mais alto que todo mundo e testou sem chances para o camisa 1 alvirrubro. Melhor no jogo, o Leão perdeu grande chance de virar com Rafael, livre, na pequena área.

No então, apareceu a sina do ‘quem não faz, leva’. Aos 30 minutos, no primeiro bom ataque do segundo tempo, o Náutico marcou o seu gol. Emerson, que havia acabado de entrar, completou cruzamento de Erick Bahia com uma linda finalização, sem chances para Túlio. Novamente em desvantagem, o Leão foi com tudo para o campo de ataque em busca de nova igualdade. E, na última bola do jogo, chegou ao empate. Nos acréscimos, em nova cobrança de escanteio, Luciano achou Pedro Maranhão, que subiu livre e cabeceou para o fundo das redes.

PÊNALTIS
Náutico
Carlão bateu para a defesa de Túlio; Christian fez; Velaske fez; Emerson fez; Juninho Carpina fez.

Sport
Júlio fez; Luciano fez; Pedro Maranhão fez; Ewerthon fez; Pablo Pardal fez.

FICHA DO JOGO 
Náutico 2 (4)
João; Bahia, Carlão, Itambé, Thássio (Emerson); Miro (Velaske), Luiz Felipe, Juninho Carpina; Júlio (Wendel), Érik Maranhão (Erick Bahia) e Neto (Christian). Técnico: Levi Gomes

Sport 2 (5)
Túlio; Ewerthon, Arthur, Pedrão, Luciano; Matheusinho, Ítalo, Alessandro; Pablo Pardal, Rafael e Pedro Maranhão. Técnico: César Lucena

Local: Estádio dos Aflitos
Gols: Juninho Carpina, Emerson (N); Ewerthon, Pedro Maranhão (S)
Cartões amarelos: Thássio, Neto (N); Rafael, Alessandro (S)


DP

SPORT - PROJETANDO 2020

Pagamento de dívidas e sem medalhões: Milton Bivar faz balanço do ano e projeta 2020

Presidente do Sport no título da Copa do Brasil de 2008, Milton Bivar diz que desafios foram maiores este ano (Foto: Anderson Stevens/Sport Club do Recife)


Em entrevista ao Superesportes, presidente rubro-negro fala das dificuldades encontradas na atual temporada e diz que não concorrerá à reeleição


A temporada 2019 para o Sport entra na sua reta final com o título estadual conquistado em cima do Náutico, nos pênaltis, e com o retorno à Série A quase definido após apenas um ano na Série B. Hora então de fazer um balanço de tudo o que aconteceu dentro do gramado da Ilha do Retiro e, principalmente, nos bastidores do clube. Por conta disso, o Superesportes entrevistou com exclusividade o presidente Milton Bivar.

Entre os principais pontos destacados pelo mandatário rubro-negro, a atual situação financeira foi repetida mais de uma vez. Bivar, que já foi presidente no biênio 2007/2008, conquistando a Copa do Brasil, e ocupou cargos diversos no departamento de futebol, disse que nunca viu o clube tão endividado e sem dinheiro como em 2019. E isso influenciou diretamente no andar da temporada.
 
Citou uma dívida com a Globo - herdada de gestões passadas - como o momento mais difícil da temporada e disse que há uma briga de vaidades nos bastidores do clube. Além disso, garantiu que não tentará a reeleição.
 
Como principal acerto em sua gestão até agora, Bivar destacou as contratações de jogadores. E com o time com 99,99% de possibilidade de acesso, garantiu os pés no chão para a Série A e prometeu que não fará contratações midiáticas. Como principal meta para 2020 está o enfrentamento das dívidas. Haverá mais dinheiro, entretanto haverá também mais cobranças. Confira abaixo a entrevista na íntegra.

Que balanço o senhor faz de 2019?
Já fui presidente uma vez. Fui vice-presidente de futebol uma vez, fui diretor de futebol duas vezes e sempre estive junto da maioria das diretorias ajudando. E nunca vi o Sport com uma dificuldade tão grande como a deste ano. Pra mim, foi o maior desafio que já tive na minha carreira esportiva no Sport.

Então, a realidade foi mais complicada do que o senhor imaginava?
Além da complicação financeira, não dava para saber os números. Fomos sabendo aos pouquinhos. Era uma realidade muito difícil e que não está resolvida. Quero deixar bem claro para toda a torcida que vou fazer uma reunião com o Conselho Deliberativo, para não se precipitar. No ano de 2020 voltaremos para a Série A, tudo bem, mas vai ser um ano muito difícil. Até que a gente saia desse problema financeiro, isso vai levar quatro ou cinco anos.  

Se fosse escolher o momento mais difícil na temporada, qual seria?
Para mim, foi a surpresa em relação à cota de televisão. Porque apareceu uma carta assinada pelo presidente anterior, autorizando a Globo a descontar parte do que o Sport deve à ela, fruto de adiantamentos de gestões passadas, e que eu pensava que a Globo não iria descontar, mas ela descontou. Isso atrapalhou todo o nosso planejamento do ano.  

Qual o maior acerto da sua gestão?
Foi eu ter muita sorte nas contratações e na formulação do elenco. Eu não pensei que tinha tantos amigos no futebol e que me ajudaram a contratar uma série de jogadores sem ter muito dinheiro no bolso.
O senhor acredita que politicamente o clube vive um momento de mais tranquilidade?
Eu só sei o seguinte: ‘Em casa que falta pão, todo mundo grita e ninguém tem razão’. Então, o que realmente houve e que me chateou bastante, e digo de coração, é você sair de casa e deixar sua tranquilidade, vir trabalhar no clube sem ganhar um tostão, absolutamente nada, e ainda estar sofrendo ataques covardes de parte de algumas pessoas simplesmente por projeto pessoal de A, B ou C. É tanto que eu não fico mais de dois anos. Não há perigo. E eles são sabedores disso e, mesmo assim, atrapalham mesmo. Porque existe uma briga de vaidades muito grande dentro do Sport. E alguns querem ser os “Papas”, digamos assim. E aí quando vem uma pessoa simples, honesta como eu, e tem pé no chão, eles têm medo de acontecer o que está acontecendo, que é esse reconhecimento total.

O clube estará de volta à Copa do Nordeste no ano que vem. Foi a melhor escolha voltar à competição?
Eu não tenho dúvidas que a saída do Sport da Copa do Nordeste foi muito temerária e muito prejudicial para o ano inteiro, até para o calendário. Muitas pessoas perguntam: Por que o Bragantino ganhou (a Série B)? O Bragantino se preparou antes, participou do Campeonato Paulista, recebeu uma cotação para participar do Paulista maior do que a própria cota da Série B. Foi um time que quando entrou na competição já estava montado. E nós não. Só tivemos o Campeonato Pernambucano. Faltou rodagem para o elenco. A gente jogava e depois ficava 15 dias sem jogar. E isso foi ruim. Até porque eu não pude nem contratar. Como eu vou contratar se eu não tenho renda?

Apesar de falar que faltou rodagem ao elenco neste ano, há alguma possibilidade do Sport colocar um time mais alternativo no estadual?
Eu não tenho dúvida que esse é o caminho. E neste ano a gente procurou fazer. E inclusive ano que vem vamos fazer também. E não é colocar o Pernambucano em segundo plano. Em todas as competições o Sport entra para ganhar. Mas na forma que pretendemos fazer, é a utilização, a experiência e a oportunidade aos jogadores de base. O pessoal do sub-20 e sub-17 e sub-23 é quem vai iniciar a temporada. Inclusive, nessa semana vão entrar de férias. No dia 20 de dezembro, eles se apresentam, bem antes do pessoal do profissional.

Se confirmado o acesso, quais as principais metas para 2020?
As principais metas para o ano que vem é o enfrentamento das dívidas. Porque tem essa situação que eu não pude nem fazer neste ano, porque eu não tinha dinheiro nem para pagar a primeira parcela. E agora não adianta. Eu não vou pegar os problemas do Sport e colocar embaixo do tapete e formar um time com jogadores midiáticos e de níveis de Série A. Eu não vou fazer isso. Vai ter time modesto, brigador e decente. Porém, a prioridade do ano que vem é o pagamento das dívidas.

O retorno para a Série A faz com que a torcida acredite em reforços de “peso”. É possível trazer?
Não temos essa meta. É impossível fazer isso. Senão eu estaria estragando com os pés o que eu construí com as mãos. Foi um trabalho danado a gente voltar para a Série A de imediato. E a gente consegue isso e, ao mesmo tempo, a gente começa a cometer irresponsabilidades. Entende? É a mesma história do sujeito que ganha 5 e gasta 10. Aí ele passa a ganhar 10 e gastar 30.

Quais lições que se dá para tirar do último ano na Série A de 2018?
Eu já tenho há alguns anos uma filosofia de trabalho e que realmente não vou fazer e não faria, que é endividar o clube. Isso aí eu já estou fazendo. Eu prefiro ser taxado de incompetente do que deixar meu clube quebrado.